PACIENTE QUE MORREU COM FEBRE AMARELA EM BH VIAJOU PARA O MATO GROSSO

23/05/2017. Credito: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press. Brasil. Belo Horizonte - MG. PBH promete acao de bloqueio ao mosquito Aedes aegypti, depois quem um morador do bairro Belvedere morreu de febre amarela. Na foto, agentes da saude da PBH fazem pulverizacao em residencias e ruas do bairro.

Compartilhe nas Redes Sociais

Óbito confirmado pela doença de economista aposentado do BDMG levou Prefeitura de BH a deflagrar uma ação de bloqueio contra o Aedes aegypti no Bairro Belvedere

Depois de passar pela fase crítica do pior surto de febre amarela em Minas Gerais sem registrar casos fatais, Belo Horizonte tem reativado o nível de alerta contra a doença. Com a confirmação de que a morte de um morador do Bairro Belvedere, na Região Centro-Sul da capital, foi causada pelo vírus, a prefeitura desencadeou ontem ações de bloqueio ao Aedes aegypti na vizinhança.

Vetor de doenças como a dengue, a zika e a chikungunya, o mosquito também pode transmitir em ambientes urbanos a febre amarela, que neste ano foi causa comprovada de 151 óbitos no estado, com outros 54 ainda sob investigação. O primeiro morador de BH a morrer devido à virose foi um economista aposentado do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), de 79 anos, que, apesar de vacinado, se contaminou em viagem ao Mato Grosso.
A morte explica a ofensiva ontem no bairro da Zona Sul, que é padrão em BH após a confirmação de casos do tipo, com aplicação de fumacê e vistoria contra focos do mosquito nas casas ao redor daquela em que o diagnóstico foi confirmado. Segundo a família, o aposentado tinha um histórico de problemas cardíacos, mas era imunizado contra a doença, já tendo tomado quatro doses da vacina. Conforme investigação epidemiológica, o paciente participou de um retiro espiritual em uma gruta na Serra do Roncador, em Mato Grosso, região de circulação do vírus da febre amarela. O médico infectologista Carlos Starling, que acompanhou o caso, destaca que, apesar de a vacina ser excelente e garantir altos níveis de proteção, existem exceções, principalmente entre a população idosa.

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde, o paciente retornou da viagem realizada ao Mato Grosso em 7 de maio, e no dia 10 apresentou os primeiros sintomas. Foi internado no dia 12, no Hospital Life Center, na Região Centro-Sul da capital, e faleceu dia 17. Exames de diagnóstico laboratorial para verificar a ocorrência de febre amarela no paciente estão sendo feitos na Fundação Ezequiel Dias (Funed). Destes, um resultado preliminar foi compatível com a doença. Também foram coletadas amostras de vísceras para diagnóstico laboratorial.

Ainda segundo a pasta, o histórico vacinal do paciente está em investigação, embora a Secretaria Municipal de Saúde tenha informado que a família não apresentou o cartão de vacina durante as visitas de equipes da vigilância epidemiológica à residência. Como o caso é de contágio fora de Minas Gerais, a morte não é contabilizada nos números de transmissão dentro do estado.

Ontem, a Prefeitura de BH realizou ações para prevenção da febre amarela na área em torno da residência do paciente, agindo em duas frentes para eliminar o mosquito Aedes aegypti: mais cedo, por volta das 7h, nove funcionários da Gerência de Zoonoses aplicaram 15 litros de ultra-baixo volume (UBV), conhecido popularmente como fumacê, em um raio de 12 quarteirões, totalizando 130 imóveis. Um pouco mais tarde, outro grupo de funcionários divididos entre agentes de combate a endemias e enfermeiros visitou casas para vistoriar possíveis focos do mosquito e também conferir cartões de vacina dos moradores.

Em uma das casas foram encontradas larvas na piscina. Como os moradores estavam fora, a funcionária do imóvel foi orientada a combater os focos. Outra moradia visitada foi a do aposentado acometido pela febre amarela, que também já tinha sido aberta para aplicação de fumacê. A viúva do economista preferiu não se identificar e disse que o marido era adepto de uma filosofia que busca um conhecimento espiritual superior. A Serra do Roncador, onde ele se contaminou, é descrita como um lugar com características geológicas especiais, que conferem, segundo os seguidores, uma energia favorável às práticas espirituais, o que motivou a viagem.

De acordo com a mulher do aposentado, havia um certo temor, por ser um local de mata, com a possibilidade de transmissão da febre amarela. “Ele era um homem muito urbano. Chegou a desistir, marcar e remarcar a viagem. Mas, como já se considerava imunizado, acabou indo”, contou a viúva. A viagem inicialmente duraria 12 dias, mas acabou reduzida para apenas quatro, sendo que o aposentado passou dois dias viajando e outros dois no local. Pegou um avião até Goiânia e um ônibus que teve baldeação em Água Boa (MT) antes de chegar à serra.

Dois dias após chegar a BH, com algumas picadas de mosquito pelo corpo, teve febre alta. No hospital, foi identificada queda de plaquetas e ele foi orientado a se hidratar bastante. Porém, exames apontaram redução na função hepática, que motivaram internação no CTI. Foram cinco dias até a morte, com problemas não só no fígado, mas também nos rins e falência múltipla dos órgãos. “Não é fácil perder uma pessoa numa circunstância dessas, mas que sirva de alerta para quem tem as vacinas vencidas”, diz a mulher do aposentado, que disse já ter sido informada pela Fundação Ezequiel Dias (Funed) de que o caso é de febre amarela.

Durante a visita dos agentes da PBH, ela informou que está com a vacina pendente e que sua médica já indicou a imunização, porque tem mais de 60 anos. Outra que também vai procurar o posto de saúde é a filha do casal, que não é vacinada.

Fonte:uai.com

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.


*