MORTE DA NONA CRIANÇA VÍTIMA DE TRAGÉDIA EM JANAÚBA MANTÉM ROTINA DE DOR E COMOÇÃO

Óbito de Mateus Felipe, que será sepultado na manhã de hoje em Janaúba, e aparecimento de mais dois feridos graves expõe cotidiano de tristeza que não acaba

 

Parece que essa tragédia nunca passa… Todo dia morre uma criança.” As palavras da gari Luciene dos Reis Silva, mãe de uma menina que também estava na Creche Gente Inocente, em Janaúba, resume o sentimento de dor e perplexidade diante do massacre que ontem fez mais uma vítima. A filha dela, Paloma Antonielly Silva, de 1 ano e 3 meses, foi salva por uma professora do massacre promovido pelo vigia Damião Soares dos Santos, de 50, que ateou fogo ao próprio corpo e deixou um rastro de destruição na unidade de ensino da cidade do Norte de Minas. Mas Luciene sabe bem a dor que sentem os pais de alunos como Mateus Felipe Rocha Santos, com 5 anos completados no último dia 27, que ontem não resistiu aos ferimentos e se tornou a nona vítima infantil do incêndio ocorrido na quinta-feira.

A morte do menino foi confirmada pelo setor de Assistência Social do Hospital João XXIII, para onde o paciente tinha sido transferido no sábado, em estado grave. Além de Mateus e de outras oito crianças, morreram uma professora e o próprio autor do massacre. O aumento no número de óbitos se soma ao surgimento de mais pessoas demandando cuidados médicos, já que as autoridades de saúde divulgaram a internação de mais dois pacientes em estado grave, com problemas nas vias respiratórias, tornando o massacre de Janaúba uma dor sem fim para vítimas e seus parentes. A diretoria do Hospital Regional de Janaúba informou que um lavrador aposentado e uma cantineira deram entrada no CTI da unidade na última sexta-feira e no domingo, respectivamente, depois de terem ido para casa no dia da tragédia. Os dois ajudaram no salvamento das vítimas.

A confirmação da morte de Mateus deixou a mãe, Valdirene Santos, de 38 anos, e o pai, Valdemar Rocha, de 35, arrasados. Hospedados em uma casa de apoio gerenciada pelo Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas) na Região da Pampulha, em BH, eles tinham a esperança de que o filho conseguisse se recuperar. Os dois partiram ainda de manhã para o Instituto Médico Legal (IML), no Bairro Gameleira, na capital, acompanhados de uma tia do garoto.

Fizeram os procedimentos de praxe para a liberação do corpo e voltaram para Janaúba por volta do meio-dia, levados de carro por um funcionário da prefeitura da cidade do Norte de Minas. Muito consternados com a perda do garoto, eles evitaram dar declarações. Depois da liberação, o corpo de Matheus partiu para Montes Claros, de onde depois seguiria para Janaúba. A família sofre ainda com mais um parente internado. O primo do menino, Nicolas Eduardo Freitas Borges, de 4, sofreu queimaduras nas vias aéreas e segue internado no João XXIII.

O prefeito de Janaúba, Carlos Isaildon Mendes (PSDB), chegou ontem à capital para visitar familiares dos feridos que estão em tratamento em BH. Ele destacou a necessidade de oferecer a solidariedade aos parentes que passam por essa dor, que aumenta a cada dia. “Passar apoio a todas essas famílias é a minha maior preocupação. Isso é fundamental neste momento de tristeza e é nossa obrigação”, afirma Isaildon.

Professora de oito das nove crianças que morreram vítimas do ataque, a funcionária da Creche Gente Inocente Adrilene Rodrigues também disse estar vivendo dias de muita dor. “Estou com uma enorme tristeza, um vazio imenso, desde o dia da tragédia”, disse. Muito emocionada com a notícia de mais uma perda, ela lamentou a morte do pequeno Matheus. “Ele era um menino muito inteligente. Toda vez que eu contava uma historinha era o primeiro a comentar. Era também uma criança muito alegre e gostava muito de brincar com carrinhos”, lembra, com tristeza, dizendo que gostava muito do pequeno. “No dia, eu fui até o hospital para tentar ajudá-lo. Fiquei triste, porque ele estava muito grave e não pude fazer muita coisa”, lamentou.

Sobre o aniversário do garoto, no último dia 27, Adrilene disse que a turma cantou parabéns para o menino e que uma festinha estava sendo preparada para ele e para outros aniversariantes, nos próximos dias. Adrilene trabalhava na centro infantil no turno da tarde e, por isso, não estava no local no momento em que Damião ateou fogo às crianças.

Fonte:uai.com

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.


*