MAIS DE 1 MILHÃO DE CONTRIBUINTES EM MINAS AINDA NÃO DECLARARAM O IMPOSTO DE RENDA

Compartilhe nas Redes Sociais

A menos de 15 dias do fim do prazo, que termina no próximo dia 30, 17,6 milhões no país ainda não entregaram seus dados para o Fisco

Faltando duas semanas para o fim do prazo para a entrega da declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física de 2017, cerca de 1,6 milhão de contribuintes em Minas, o equivalente a 63% do total, ainda não acertou as contas com a Receita Federal. O limite para encaminhar o documento ao Fisco é 28 de abril. No Brasil, 62% precisam entregar a declaração, quase 17,6 milhões de pessoas.

Apesar de milhares ainda estarem pendentes com o leão no estado, contribuintes estão ligeiramente mais rápidos para enviar a declaração em relação ao ano passado. Segundo a Receita Federal, em 12 de abril do ano passado 905,1 mil pessoas entregaram o documento, enquanto, no mesmo dia deste ano, 972,3 mil declarações já estão no sistema da Receita. Até dia 28, a expectativa do Fisco é receber 28,3 milhões em todo o país, sendo 2,6 milhões em Minas.

Conselheiro do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais (CRCMG), o contador Antônio Baião, notou um crescimento de contribuintes que agilizaram a prestação de contas. “Percebemos um aumento no número de declarantes. Não chega a ser tão significativo. É a promessa de receber mais cedo”, afirma Baião, que nota uma progressiva antecipação da entrega pelos contribuintes nos últimos anos.

Segundo o superintendente adjunto da Receita Federal em Minas Gerais, Flávio Antônio Souza Abreu, a vantagem de entregar a declaração mais cedo é a restituição. “A Receita libera sete lotes de restituição, de junho a dezembro. A prioridade são idosos e pessoas com doenças graves. O resto é por ordem de entrega. Quem entrega primeiro, recebe primeiro”, afirma.

Multa 

Ele recomenda que quem ainda não começou a pensar no assunto não deixe para depois. “Se não está com a documentação, agiliza. E, se ficar faltando algum documento até dia 28, transmita a declaração com os dados que tiver. Depois, se necessário, faça uma restituição”, orienta. “Se deixar para depois, a multa é de 1% sobre o valor apurado ou multa mínima de R$ 165,74”, reforça.

Abreu também alerta que o principal motivo de os contribuintes caírem na malha fina é a omissão de rendimento e erro na declaração de dependentes. Fazer a declaração com antecedência permite que erros sejam evitados. “O contribuinte que se antecipa tem a possibilidade de corrigir”, afirma Baião.

Uma dica é checar na seção de certificação digital no site da Receita Federal rendimentos relacionados ao nome do contribuinte. “Ele pode saber se há algum rendimento relacionado ao seu CPF. O sistema da Receita está cada vez mais fechado, ela já sabe das informações”, reforça.

Fonte:uai.com

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.


*