CONSIGNADO COM GARANTIA DO FGTS DEVE TER JUROS MAIS BAIXOS; ENTENDA AS REGRAS

Compartilhe nas Redes Sociais

Bancos poderão cobrar até 3,5% ao mês nesta modalidade. Apesar de mais barata, linha pode comprometer reserva contra o desemprego, alertam economistas.

 

A nova modalidade de crédito que permite usar como garantia o saldo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) no empréstimo consignado,liberada nesta terça-feira (4), deve ter uma das taxas mais baratas do mercado por oferecer risco mais baixo aos bancos, avaliam economistas ouvidos pelo G1. Para o trabalhador, contudo, o risco implica em perder a “poupança” que o protege em caso de desemprego.

Pela nova regra, o trabalhador poderá oferecer até 10% do saldo disponível em sua conta do FGTS, ativa ou inativa, para obter o empréstimo consignado. Esta linha desconta as prestações da dívida diretamente de sua folha salarial. Em caso de demissão, o banco poderá reter 100% da multa do FGTS paga pelo empregador (que equivale a 40% do saldo na conta do Fundo), para garantir o pagamento da dívida.

THAÍS HERÉDIA: Governo “cria” dinheiro sem usar Tesouro Nacional

“O consignado sempre foi uma linha de risco mais baixo. Com a garantia doFGTS, acredito que será possível emprestar a taxas ainda mais baratas ou muito próximas às atuais”, afirma o diretor-executivo da Anefac, Miguel Ribeiro de Oliveira, que pesquisa mensalmente os juros cobrados no crédito.

Ao G1, os bancos Itaú e Santander informaram que vão oferecer a nova linha, mas ainda não definiram quais serão as taxas cobradas. O Bradesco disse que não disponibiliza a modalidade de crédito. A Caixa Econômica e o Banco do Brasil não retornaram até a última atualização da reportagem.

Dívida mais barata

Em fevereiro, a taxa média cobrada dos trabalhadores do setor privado no crédito consignado estava em 43,8% ao ano – enquanto os juros do cartão de créditoalcançaram 486% no mesmo período, segundo dados do Banco Central. Já os juros médios cobrados em todas as modalidades de crédito para pessoas físicas atingiram 73,2% ao ano.

 

Fonte:globo.com

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.


*