APESAR DE EMPATE, CRUZEIRENSES COMEMORAM RESULTADO DO PRIMEIRO JOGO DA FINAL

Ma­no não pre­ten­de fa­zer al­te­ra­ções sig­ni­fi­ca­ti­vas para o próximo jogo

O de­se­jo era de vi­tó­ria, ob­via­men­te, mas o em­pa­te sem gols no pri­mei­ro jo­go da de­ci­são do Cam­peo­na­to Mi­nei­ro não de­sa­gra­dou os cru­zei­ren­ses. Ao con­trá­rio, jo­ga­do­res e in­te­gran­tes da co­mis­são téc­ni­ca dei­xa­ram o Mi­nei­rão fe­li­zes com o de­sem­pe­nho apre­sen­ta­do e cer­tos que po­dem ven­cer o jo­go de vol­ta, no pró­xi­mo do­min­go, jo­gan­do no In­de­pen­dên­cia.

“Não mu­dou na­da, a gen­te pre­ci­sa de um re­sul­ta­do di­fe­ren­te pa­ra con­quis­tar o tí­tu­lo. Mas o jo­go me agra­dou mui­to, o Cru­zei­ro foi a equi­pe a bus­car a vi­tó­ria do pri­mei­ro ao úl­ti­mo mi­nu­to. Era o que tí­nha­mos de fa­zer no jo­go, sair de­le com a cons­ciên­cia tran­qui­la de que fi­ze­mos o pos­sí­vel. Os nú­me­ros mos­tram a su­pe­rio­ri­da­de, mas não con­se­gui­mos fa­zer o gol”, dis­se o téc­ni­co Ma­no Me­ne­zes, pa­ra quem o Cru­zei­ro deu res­pos­ta aos crí­ti­cos, ain­da que não te­nha ven­ci­do.

“Nos ou­tros clás­si­cos fa­la­ram que ata­ca­mos pou­co, que jo­ga­mos no con­tra-ata­que. E, ho­je, pro­pu­se­mos o jo­go o tem­po to­do. Mos­tra­mos o que po­de­mos fa­zer.”
Pa­ra o pró­xi­mo jo­go, Ma­no não pre­ten­de fa­zer al­te­ra­ções sig­ni­fi­ca­ti­vas. Po­rém, sa­be que há coi­sas a ajus­tar, prin­ci­pal­men­te no que se re­fe­re ao úl­ti­mo pas­se e às fi­na­li­za­ções, o cal­ca­nhar de Aqui­les da equi­pe on­tem.

“Pre­ci­sa­mos ter um pou­co mais de cal­ma, não po­de­mos que­rer par­ti­ci­par o tem­po to­do do jo­go, pois nos­so ti­me é de mui­ta mo­vi­men­ta­ção. To­dos que­rem criar e aí fal­ta aque­le pé pa­ra co­lo­car a bo­la pa­ra den­tro. Te­mos de ter es­sa cons­ciên­cia e va­mos tra­ba­lhar pa­ra criá-la”, afir­mou o trei­na­dor ce­les­te.

Os jo­ga­do­res tam­bém se mos­tram oti­mis­tas de­pois de ter mui­to mais vo­lu­me nes­ta pri­mei­ra par­ti­da. “Fi­ze­mos um gran­de jo­go, do­mí­nio to­tal, de­mos pou­cas chan­ces pa­ra eles. In­fe­liz­men­te, a bo­la não en­trou, mas te­mos mais 90 mi­nu­tos pa­ra a fa­zê-la en­trar no jo­go de vol­ta”, ar­gu­men­tou o go­lei­ro Ra­fael, que te­ve de in­ter­vir de for­ma de­ci­si­va ao me­nos duas ve­zes pa­ra im­pe­dir um re­sul­ta­do pior on­tem.

Se­gun­do ele, o Cru­zei­ro não vai mu­dar a for­ma de jo­gar pe­lo fa­to de es­tar na ca­sa do ad­ver­sá­rio. “Acho que o pró­xi­mo jo­go não vai fu­gir mui­to do que fi­ze­mos. Te­mos de man­ter a de­di­ca­ção, pois só não saí­mos com a vi­tó­ria ho­je (on­tem) por de­ta­lhe”, de­cla­rou.

O za­guei­ro Leo cor­ro­bo­ra es­te pon­to de vis­ta. “Ti­ve­mos pa­ciên­cia de gi­rar a bo­la, do­mi­na­mos, cria­mos chan­ces, tro­ca­mos pas­ses mas não con­se­gui­mos mar­car. Tem dia que é as­sim, a bo­la não en­tra. Ago­ra é ir pa­ra o jo­go de vol­ta pa­ra fa­zer o re­sul­ta­do e con­quis­tar o tí­tu­lo”, afir­mou.

VI­RAN­DO A CHA­VE

Mas an­tes de pen­sar no jo­go de vol­ta, o Cru­zei­ro pre­ci­sa­rá se con­cen­trar na par­ti­da de ida das oi­ta­vas de fi­nal da Co­pa do Bra­sil, quar­ta-fei­ra, às 21h45, no Mi­nei­rão, con­tra a Cha­pe­coen­se. Co­mo a com­pe­ti­ção tam­bém é um dos ob­je­ti­vos da equi­pe na tem­po­ra­da, Ma­no Me­ne­zes já adian­tou que vai es­ca­lar for­ça má­xi­ma.

“To­do mun­do es­tá ten­do de re­par­tir a aten­ção (com ou­tras com­pe­ti­ções), são jo­gos de ma­ta-ma­ta, de­ci­si­vos. Não há ou­tra es­tra­té­gia que não dar o má­xi­mo em to­dos os jo­gos”, de­cla­rou o trei­na­dor ce­les­te.

As no­vi­da­des pa­ra os pró­xi­mos jo­gos po­dem ser o la­te­ral-di­rei­to Eze­quiel e o ar­ma­dor Ro­bi­nho. Eles se re­cu­pe­ra­ram de pro­ble­mas fí­si­cos, mas es­tão há um mês e 41 dias sem jo­gar, res­pec­ti­va­men­te, e pre­ci­sam pro­var que têm con­di­ções de vol­tar, se­gun­do o pró­prio Ma­no Me­ne­zes.

O meia Arrascaeta foi um dos principais jogadores do Cruzeiro no empate por 0 a 0, no Mineirão. Confira os números do uruguaio no clássico:

Fonte:uai.com

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.


*